Zagueiro da Jataiense descarta acesso e pede vergonha na cara a jogadores

Foto: Solimar Oliveira
Anúncios

No último domingo, a Jataiense foi derrotada pelo Aparecida jogando fora de casa. A derrota foi a segunda da equipe na competição, mas somada aos resultados anteriores deixa a raposa na zona de rebaixamento para a Terceira Divisão. O revés deixou o clima quente na equipe do sudoeste. Em entrevista para a Rádio Difusora de Jataí, o zagueiro Martinez descartou qualquer chance de acesso para a primeira divisão.

“Nosso time tem que tomar vergonha na cara, essa é a realidade. É vergonha na cara para jogar o que a gente tá jogando. Fala muita coisa, que a equipe é isso, aquilo. Falta vergonha na cara, vontade, tesão. Agora é brigar para não cair, o torcedor tem que esquecer o acesso. Esse jogo foi um divisor de águas, se ganhasse brigava para tentar subir, se perdesse brigava para não cair. A realidade da Jataiense é brigar pra não cair”, falou o zagueiro sobre o campeonato que disputa a Jataiense a partir de agora.

Mais da Divisão de Acesso
Confira a tabela da Divisão de Acesso

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo o defensor da equipe é hora de correr, mas segundo ele alguns jogadores da equipe não estão correndo o suficiente durante as partidas. Para ele, agora é hora de a equipe ter consciência de que está brigando contra o rebaixamento.

“A gente sabe quem tá dando o melhor, quem tá correndo e quem não tá. É ter cabeça tranquila, do mesmo jeito que tem acesso, é campeão, a gente tem que ter consciência quando tiver brigando com um rebaixamento. É hora de conscientizar, ralar, correr é o que tá faltando no nosso time: correr”, falou o zagueiro sobre o que a equipe precisa fazer para evitar o rebaixamento.

Hora de se fechar

O jogador ainda destacou que além de correr, agora é hora do grupo se fechar para que a equipe não seja rebaixada. Para o defensor é hora de estar todo mundo com o mesmo pensamento para que a Raposa tenha êxito no objetivo final.

“Grupo é assim, as vezes está todo mundo junto, com o mesmo pensamento. As vezes outros não estão, é de cada um né. Futebol é complicado, é coletivo. A gente não sabe da cabeça de todo mundo, mas agora ou todo mundo se fecha pra não cair ou todo mundo cai junto, é simples. Ou se fecha de um jeito ou de outro, ou se fecha caindo ou se fecha brigando pra não cair. Não tem outra realidade para a gente não”, finalizou o zagueiro.

Conheça os maiores apoiadores do site Esporte Goiano: WB Companies e Connect Media

Comentários

comentários

PUBLICIDADE