Apresentado, Jean diz estar arrependido e culpa imprensa por imagem negativa

Foto: Willian Rommel/Esporte Goiano
Anúncios

O goleiro Jean, de 24 anos foi apresentado na tarde de hoje pelo Atlético. Treinando com o grupo há mais de um mês, o arqueiro teve a apresentação tardia devido a trâmites burocráticos. No final de 2019, o jogador foi acusado de agredir a sua até então esposa nos Estados Unidos, mas pouco tempo depois o processo foi arquivado pela justiça do país.

Mais do Atlético
Junior Brandão já treina focando reestreia
Ingressos para o clássico contra o Goiás já estão a venda

Quem apresentou o atleta foi Adson Batista, presidente do Atlético. Segundo Adson, o Atlético está feliz por participar da recuperação do jogador. Porém, caso Jean volte a pisar na bola, o clube não irá aliviar para o jogador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A gente vai procurar recuperar esse atleta, ele vai dar sequência na sua vida de maneira correta. Ele sabe que se não for assim não tem espaço aqui no Atlético. Dentro disso eu tenho confiança que vamos fazer um grande ano, vitorioso e você (Jean), vai nos ajudar muito. E que você possa ser feliz na sua vida pessoal, cuidar das suas filhas, das suas responsabilidades, porque isso pra gente é muito importante”, justificou o dirigente a contratação do atleta.

Arrependimento pela agressão

Em sua apresentação, o goleiro pediu desculpas pelo erro que cometeu. Segundo ele, logo mais novos esclarecimentos serão dados sobre o episódio que ocorreu no final do ano passado. Em sua defesa, o jogador justificou que o acontecimento foi devido a uma reação que ele nunca havia tido. Para Jean, a imprensa também colaborou a criar uma imagem negativa, de um “monstro”.

“Pedir desculpa pelo meu erro, toda história tem dois lados, mas como o Adson falou não justifica a agressão. Não estou aqui para dizer que por a história ter dois lados que eu estou certo em agredir. Foi uma reação que eu tive, mas que eu nunca tinha tido. Eu não sou esse menino agressor, quem me conhece sabe que eu sou um cara de coração bom, quem me conhece sabe de toda a minha história e se surpreendeu com o que aconteceu. Tem coisas que eu só vou poder falar em breve e não posso entrar em detalhes. De antemão, estou aqui para me apresentar, dar minha cara a tapa, pedir desculpas para todas as pessoas, todas as mulheres que se sentiram ofendidas de alguma forma. Eu não sou esse monstro que a imprensa fez de mim, eu não sou essa pessoa ruim e estou muito arrependido do que eu fiz”, se desculpou Jean pelo episódio ocorrido no final do ano passado.

Gratidão

Com o contrato suspenso pelo São Paulo, clube que defendia antes de vir para o Atlético, o goleiro agradeceu ao Atlético e a Adson Batista pela segunda chance dada. Para o atleta, caso o Atlético não tivesse dado essa oportunidade, ele não poderia arcar com o sustento das filhas.

“Eu tenho que agradecer muito ao Atlético, ao Adson por abrir essa porta para mim. Eu não sou esse monstro que fizeram de mim, eu nunca havia agredido uma mulher, nunca tinha tocado o dedo em uma mulher. Foi uma situação de reação do momento por fatos que eu vou esclarecer depois, mas que não justificava o ato de agressão. Se não fosse o Atlético hoje, eu não teria como ganhar dinheiro, trabalhar para sustentar e dar educação para minhas filhas. Eu tenho que ser eternamente grato ao Atlético, ao Adson por ter aberto as portas para mim, pra eu reiniciar minha carreira”, agradeceu o jogador a chance dada pelo Atlético de retomar a sua carreira.

Ameças de Morte

No início do ano, o jogador teve seu nome ventilado no Ceará. Porém, devido a reações negativas por parte da torcida, o atleta acabou não se transferindo para a equipe do nordeste. No Atlético, o jogador também recebeu reações negativas, protestos principalmente nas redes sociais. Segundo o goleiro, ameaças de morte também foram recebidas por meio das redes.

“Não só a situação do Ceará, por ter voltado atrás. Eu acho que a situação de eu chegar aqui, querendo ou não você entra nas redes sociais e vê pessoas te julgando, te xingando, comparando a pessoas que cometeram crimes absurdos e foi uma coisa que mexe com o ser humano. Eu não sou aquilo, não sou um monstro que falaram, nunca fui. Isso é o que mexe muito comigo, em redes sociais eu recebo até ameaças de morte de pessoas que escutaram apenas um lado da história. Toda história tem dois lados, eu não podia falar antes, mas em breve vou estar dando esclarecimentos para as pessoas entenderem melhor o que passou”, revelou o atleta sobre as ameaças de morte que recebeu após o episódio.

Término precoce da carreira

O jogador revelou que pensou em encerrar a sua carreira. No entanto, após conversas com família, empresários ele repensou essa decisão e que ela foi tomada principalmente pelas duas filhas.

“Eu pensei em parar de jogar, no momento que eu estava sendo atacado de todos os lados, pessoas me xingando, me julgando em tom agressivo, ameaçando até de morte. Cheguei a comentar com meus empresários e com a minha família que não queria mais jogar futebol. Sofri bastante durante esse tempo, ainda estou sofrendo, mas por outro lado em conversas com a minha família, meu empresário eles me questionaram o que eu sabia fazer. E eu não soube responder, o que fez dar tudo para minhas filhas e para a minha família foi o futebol. Jogar futebol é a única coisa que eu sei fazer. Por mim, se eu fosse sozinho na vida eu teria parado de jogar, mas eu tenho minhas filhas que eu amo muito, eu tenho que dar educação, alimentação, tudo do bom e do melhor e é por esse motivo que eu não deixei de jogar futebol”, explicou o jogador sobre o quase término da sua carreira

Ouça a entrevista de apresentação do goleiro

Comentários

comentários

PUBLICIDADE