5.6 C
New York
quarta-feira, fevereiro 21, 2024
InícioQuadraRaquetesTênis goiano revela talentos nas categorias de base

Tênis goiano revela talentos nas categorias de base

Há algum tempo, o tênis goiano vem se destacando no Brasil. O estado tem vários atletas no top 10 dos rankings da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) e, inclusive, lidera o ranking nacional de 16 anos feminino simples.

Entre os principais atletas no masculino, estão o jovem Lucas Boclin, quinto no ranking até 12 anos e Victor Barros Fernandes, sétimo na categoria 16 anos.

O maior brilho, contudo, é no feminino. A jovem Lorena Cardoso lidera o ranking nacional de 16 anos feminino simples. A goiana brilhou no último ano e desbancou todas as adversárias para chegar ao topo. Um dos títulos mais importantes, veio no início deste mês, quando Cardoso derrotou a também goiana Nalanda Teixeira na final da competição sul-americana, em Guayaquil, no Equador.

- Anúncio -

“Optamos por atuar mais em prol da base do tênis goiano, mais precisamente no infanto-juvenil. No adulto e social, há promotores independentes”, afirma o representante da Federação Goiana de Tênis (FGT), Flávio Ronaldo.

Mais do tênis em Goiás

O trabalho tem dado resultado. Lorena Cardoso não é o único exemplo de sucesso. Nalanda Teixeira, adversária da número um na final sul-americana, também liderou o ranking nacional e já até disputou torneios mundiais pelo Brasil.

Inspirada em Novak Djokovic e Roger Federer, a jovem de Minaçu começou a ganhar as quadras aos nove anos, quando foi convidada por uma amiga a jogar. De lá para cá foram muitos títulos nacionais e internacionais.

Mariana Peracini também vem se destacando nos últimos anos. A tenista é a quinta do ranking de 16 anos da CBT e líder do ranking goiano da categoria. Na curta carreira, Peracini conquistou 50 títulos nacionais.

Poderia ser melhor
Mariana Peracini é destaque no ranking nacional, apesar de dificuldades. (Foto: Arquivo Pessoal)

O tênis é um esporte caro. O custo com equipamentos, estrutura de treinamento, viagens e inscrições em torneios pode, segundo a avaliação dos tenistas, chegar à casa dos R$ 10 mil mensais.

Por isso, conseguir patrocinadores é essencial para manter a carreira, mesmo na base. Em Goiás, a FGT auxilia os jovens tenistas. Alguns atletas conseguem bolsas para baratear o custo dos treinamentos. Os recursos provenientes do setor público são escassos, e já causaram alguns prejuízos.

– Ano passado não participei de nenhum (torneio nacional), porque a verba demorou demais para sair. Quando foi liberada, já estava no final do ano. Ano passado perdi o ano todo de campeonatos. Treinei forte o ano todo, mas não tive apoio para participar do campeonatos – lamenta Mariana Peracini.

Patrocinada pela CBT, por um amigo da família e por empresas do Rio de Janeiro, Nalanda nunca enfrentou o mesmo problema de Peracini, mas admite que as condições não são das melhores. “Falta verba”, relata a tenista. “O nível poderia ser ainda melhor”, completa.

Rafael Tomazeti
Jornalista formado pela Universidade Federal de Goiás. Fã de esportes e apaixonado pelo estado de Goiás. Trabalhou na Rádio Universitária 870 AM, TV UFG, Rádio 730/Portal 730, Jornal Diário do Estado, Diário de Goiás e Rádio BandNews.
Anúncio

Últimas

Anúncio
error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais!
P