Com revelação e tricampeonato, Fernandes brilham no Brasileiro de Ciclismo de Estrada

Com auxílio de Janildes, Clemilda sai de Maringá (PR) com terceiro título consecutivo e uma prata no contrarrelógio, enquanto irmã Márcia fica com o bronze na estrada

0
54
Clemilda e Márcia (ambas de branco) no pódio ao lado da vice Ana Paula Polegatch.(Foto: Luis Claudio Antunes/CBC)

A família Fernandes orgulhou Goiás mais uma vez. No último final de semana, a equipe goiana composta por Clemilda, Janildes e a jovem Márcia, de 23 anos, trouxe três medalhas para o Estado no Campeonato Brasileiro de Ciclismo de Estrada, disputado em Maringá (PR).

A primeira medalha foi prateada. Na quinta-feira, 24, Clemilda fez a prova de contrarrelógio em 42min04s e ficou com o vice-campeonato. Ela era a atual campeã, mas ficou atrás de Ana Paula Polegatch, que realizou o percurso em 40min40s.

O brilho maior viria na prova principal. Na sexta-feira, a família Fernandes dominou as estradas de Maringá e Clemilda levou o tricampeonato nacional consecutivo. Márcia ficou na terceira colocação. Sempre companheira de Clemilda nos pódios, Janildes sofreu com problemas na bicicleta, que furou o pneu. Contudo, ela foi fundamental no trabalho de equipe e ajudou as irmãs, que, juntas com a vice-campeã Ana Paula Polegatch, chegaram a abrir três minutos de vantagem para os outros pelotões. Clemilda fechou o circuito de 108km com 3h14min46s.

Mais do ciclismo goiano

11 vezes campeã brasileira, Clemilda relata a emoção de colocar mais um troféu na extensa galeria. “Usar a camisa de campeã brasileira na Europa é muito importante para a gente e para o Estado de Goiás. As campeãs sempre largam na primeira linha. É sempre um orgulho carregar essa camisa no peito pelo mundo. A gente se prepara o ano todo para ganhar o título, e trazê-lo para Goiás não tem explicação”, afirmou a ciclista.

Janildes não teve um fim de semana de muita sorte. Além de ter o pneu furado na prova de estrada, ela perdeu a frente da bicicleta no contrarrelógio e abandonou a disputa. O resultado das irmãs, porém, alegra a atleta. “Estou feliz. Fazer o pódio completo era quase impossível. Não tinha como o resultado ser melhor que esse”, disse.

Durante a prova, Janildes fez o verdadeiro trabalho de equipe. “Peguei uns atalhos, poupei as meninas. Felizmente deu certo e conseguimos as duas medalhas”, pontuou. Após ver suas chances de ir ao pódio se esvaírem por conta dos problemas com a bicicleta, Janildes virou estrategista para garantir medalhas para as Fernandes. “Já estava no final quando ela furou, então parou e foi nos dar assistência. Foi passar as táticas para a gente poder ganhar”, contou Clemilda.

Clemilda cruzou a linha de chegada em boa vantagem.(Foto: Wesley Kestrel/CBC).
Revelação

O tempo passa e brilhantismo da família Fernandes no ciclismo só aumenta. Se Clemilda e Janildes, com 38 e 37 anos, têm pretensão de disputar em alto nível pelo menos mais um ciclo olímpico, a nova geração, com a jovem Márcia, de 23 anos, já está pronta para assumir e representar Goiás e o Brasil nas principais competições.

“Márcia é a revelação da família Fernandes. Anda muito forte. É uma das cotadas para as Olimpíadas de Tóquio (em 2020)”, elogiou Clemilda. “Ela começou jovem, nas categorias de base, no juvenil, júnior… Agora está colhendo os frutos. Nosso pensamento é que ela chegue bem para conquistar a vaga e colocá-la em Tóquio”, detalhou Janildes.

A Olimpíada ainda está três anos à frente. Por isso, a revelação Márcia foca na atual temporada para, no futuro, se credenciar à vaga na principal competição esportiva do mundo. “Estou dando continuidade nos treinos, visando provas mais importantes. Não deixa de ser um sonho ir para Tóquio. Quem sabe esse sonho não se realiza. Ainda falta muito tempo, mas é um sonho que pretendo realizar”, relatou Márcia.

Enquanto 2020 não chega, as Fernandes agora se preparam para o Brasileiro de Pista, no fim do ano. Por ora, Janildes migra para o Mountain Bike, enquanto Clemilda deve figurar na seleção brasileira, que vai correr no Giro d’Toscana, na Itália, e em um campeonato mundial, na Noruega.

Comentários

comentários