Atlético faz 3 a 0 sobre apático Goiás e coloca mão na taça do Goianão

Foto: Héber Gomes/Esporte Goiano
Anúncios

O Atlético está com uma mão na taça do Goianão. O Dragão não encontrou muitas dificuldades para bater o Goiás no primeiro jogo da decisão de 2019. No Olímpico só com rubro-negros, o Dragão venceu por 3 a 0 um apático e displicente Alviverde, abrindo excelente frente na luta pela taça estadual.

A partida que definirá o campeão goiano deste ano será no próximo domingo (21), às 16h, no Olímpico, só com a presença de torcedores esmeraldinos. Para reverter o quadro de título atleticano, o Goiás precisa vencer por, pelo menos, quatro gols de diferença. Triunfo alviverde por três gols levaria a decisão para os pênaltis. Qualquer outro cenário confirma o título ao Atlético.

Veja como foi o confronto lance a lance

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Domínio rubro-negro e apatia alviverde

O Atlético dominou completamente o início, buscando mais o gol e finalizando com Nicolas, Gilvan e Jorginho, embora nenhuma delas com perigo. Tímido e muito apático, o Verdão ia pouco à frente e não incomodava. Logo aos 11 minutos, o Dragão conseguiu um pênalti. Jorginho driblou Rafael Vaz na área, que deu um rapa e derrubou o camisa 10. Gilsinho foi tranquilo para a marca da cal e abriu o placar com apenas 13 minutos (veja abaixo).

Apesar da desvantagem, o time alviverde continuava apático. O primeiro bom momento foi num chute de Marlone, de longe, aos 26 minutos. O goleiro Kozlinski foi bem e fez a defesa segura. Os rubro-negros levavam vantagem principalmente sobre o lado esquerdo da defesa do Goiás, com Mike e Jorginho. Matheus completava o trio infernal para a retaguarda e dava muito trabalho a Vaz e Yago.

Sem criatividade, o Verde só incomodava nas bolas paradas. Em uma delas, aos 38 minutos, Marcelo Hermes cobrou escanteio, Rafael Vaz subiu junto com Jorginho. O camisa 10 cabeceou contra o patrimônio e assustou Kozlinski. Para a sorte atleticana, a bola não entrou.

Já no fim do primeiro tempo, o trio infernal do Dragão entrou em ação novamente. Jorginho puxou contra-ataque sozinho, no meio de três defensores, e esperou a chegada de Mike. O atacante recebeu na área, prendeu a bola até que Matheus aparecesse. O baixinho meio-campista recebeu, fez o girou e chutou de fora da área, no cantinho de Sidão, abrindo excelente vantagem na decisão já na etapa inicial.

Foto: Comunicação/Atlético CG

Atlético administra e mata no fim

Insatisfeito com o desempenho no primeiro tempo, Barbieri voltou do vestiário já com Giovanni Augusto e Marcinho nos lugares de Gilberto Jr. e Renatinho. Apesar das mexidas, o Verdão continuava com muitas dificuldades na criação. A primeira finalização só veio aos seis minutos, quando Giovanni Augusto chutou de fora da área para defesa de Kozlinski.

O Goiás conseguiu assustar somente aos 15 minutos. Numa cobrança de falta de Marlone, Brenner testou com força, e Kozlinski fez a principal defesa na partida. De resto, o Dragão administrava muito bem a vantagem. Apesar de oferecer a posse de bola ao Esmeraldino, o Rubro-Negro não era ameaçado.

Lento e apático, o Verdão não oferecia grandes riscos à meta de Kozlinski. Brenner ficava isolado e inábil entre os zagueiros atleticanos. Sem aproximação e velocidade, o Alviverde era previsível e incapaz de furar o bloqueio da retaguarda do Atlético.

No fim, a situação esmeraldina ficou ainda pior. Aos 46, o Dragão puxou contragolpe fulminante. A bola veio pela direita. Num toque de primeira, Reginaldo deixou Madson livre, na cara do gol, para marcar o terceiro e praticamente definir o título estadual de 2019.

Ficha Técnica
Atlético 3 x 0 Goiás – jogo de ida da final do Goianão
Data: 14 de abril de 2019
Horário: 16h
Local: Estádio Olímpico; Goiânia, GO

Árbitro: Eduardo Tomaz
Assistentes: Cristhian Passos e Leone Carvalho

Público pagante: 4.636
Público total: 6.026
Renda: R$ 57.515,00

Amarelos: Geovane (GOI); Matheus, Pedro Bambu, André Luis, Madson (ACG)
Gols: Gilsinho, aos 13’1T, Matheus, aos 45’1T, Madson, aos 46’2T (ACG)

Atlético: Kozlinski; Jonathan, Lucas Rocha, Oliveira e Nicolas; Moacir (André Luis), Pedro Bambu e Jorginho (Reginaldo); Matheus, Mike e Gilsinho (Madson).
Técnico: Wagner Lopes.

Goiás: Sidão; Kevin, Yago, Rafael Vaz e Marcelo Hermes; Geovane, Gilberto Júnior (Giovanni Augusto) e Marlone; Michael, Brenner (Júnior Brandão) e Renatinho (Marcinho).
Técnico: Maurício Barbieri.

Comentários

comentários

PUBLICIDADE