Michel Douglas admite ansiedade por gol e prefere não ser poupado

Por conta da força física, Michel vem se destacando pelo papel de pivô no Tigre. (Foto: Vitor Monteiro/Esporte Goiano)
Anúncios

Cinco rodadas já foram disputadas no Goianão, e Michel Douglas ainda não marcou. O centroavante contratado do Futebol Português, por outro lado, vem desempenhando importante função no Vila Nova. Titular desde a 4ª rodada, contra o CRAC, o atacante vem se destacando por seu vigor físico. Faz a chamada “parede”, função do pivô em campo para abrir espaços para outros atletas.

Apesar de exercer importante função, a falta de gols provoca ansiedade em Michel. Para o jogador, o fato de o time ainda estar em processo de reformulação e entrosamento interfere para que ainda não tenha engrenado no quesito marcar gols.

“Todo atacante quer ajudar a sua equipe com gols. Mas entendo também que o nosso time é novo. Ficou a base do ano passado, mas mudou bastante jogadores. Estamos nos conhecendo. A ansiedade está lá em cima (sobre o primeiro gol), mas preciso estar tranquilo. É ajudar ao máximo nossa equipe. Eu preciso fazer o que o Umberto pede também. Preciso estar lá na frente, mas tenho que segurar zagueiro, puxar marcação para a infiltração de outros jogadores. Para quem acompanha os jogos, está vendo que busco o gol a todo tempo. Vai sair na hora certa para abrir a porteira”, analisou o atacante.

A próxima chance do camisa 9 balançar as redes pelo Tigrão será no domingo (10). O embate será diante do Goianésia, no Onésio Brasileiro Alvarenga. O fator casa até aqui tem funcionado – em dois jogos, vitórias diante de Aparecidense e CRAC.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A gente tem um jogo importante dentro de casa, onde estamos do lado da torcida. É aí que precisamos aproveitar. Já fizemos um bom jogo aqui (OBA). A nossa equipe se sentiu bem jogando no OBA. Temos tudo para fazer uma boa partida e melhorar na tabela”, frisou Michel Douglas sobre o confronto diante do Goianésia.

E o centroavante do Tigre sabe que tem concorrência. Rafael Silva, seu reserva imediato, tem entrado bem e marcou um gol no Goianão. Até por isso, e pela sequência de jogos, o ex-atacante do CSA não deseja ser poupado, mesmo diante do calendário pesado.

“Sempre quero estar em campo. Essa sequência é bom para o atleta pegar confiança. Prefiro estar jogando. O Rafael (Silva) é um grande jogador também, e com certeza quem está no elenco quer atuar. Ninguém aqui quer ficar de fora”, afirmou Michel com animação.

Copa do Brasil

Na próxima quarta-feira (13), o Vila Nova tem talvez o jogo mais importante do ano até aqui. Se não mais importante, o mais valioso. Uma possível classificação sobre o Manaus, na primeira fase da Copa do Brasil, levaria R$ 950 mil para os cofres vilanovenses. Michel Douglas já jogou no campo do adversário, admitiu a dificuldade do confronto, mas prefere pensar somente no Goianésia por enquanto.

“Por ser início de campeonato, temos que pensar mais no Goianésia. É o nosso próximo adversário. Terminando o Goianésia, a gente vai ter o foco total no jogo de Manaus. É também um jogo difícil, já estive no ano passado jogando contra. A dificuldade é muito grande, então teremos que ir passo-a-passo. Primeiro Goianésia, depois Manaus”, salientou.

Michel Douglas fala sobre as mudanças climáticas em Goiânia e o efeito disto no dia-a-dia do clube:

Vídeo: Vitor Monteiro/Esporte Goiano

Comentários

comentários

PUBLICIDADE