Filiado à Federação, Goianésia traça metas ambiciosas no futebol de mesa

Sensei Wallenstein César, idealizador do projeto, quer popularizar modalidade no Vale do São Patrício. Para isso, pretende desbancar o Goiás, uma das equipes mais fortes do estado.

Luiz Marín Barcelos, Wallenstein César, Waldomiro Riemma (presidente da FGOFM) e mestre Alejo Morales.(Foto: acervo pessoal)
Anúncios

A Federação Goiana de Futebol de Mesa (FGOFM) tem novo filiado. O Goianésia Esporte Clube, liderado pelo Sensei Wallenstein César, concluiu o processo de filiação à entidade e está apto a disputar os torneios chancelados pela FGOFM.

O quadro de atletas do Azulão do Vale tem 20 botonistas de todas as três categorias (12 toques, três toques e dadinho) em treinamento. Destes, 11 integrarão, inicialmente, a equipe titular do Goianésia.

O futebol de mesa goiano agora conta com quatro equipes com registro na Federação. Além do Azulão do Vale, o Goiás, a Afumeg e a Agine também disputam os torneios locais. O time do Goianésia fará sua estreia em 2017.

Líder apaixonado
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O responsável pela criação da equipe de futebol de mesa do Goianésia Esporte Clube é o faixa-preta em judô e mestre em lutas olímpicas Wallenstein César. Fanático por esportes  e torcedor do Azulão do Vale, o professor César revela que a idealizou o projeto após acompanhar uma competição em Goiânia.

– Fui ao shopping com meus filhos, no final do passado, e vimos o campeonato nacional. Aí, me veio a ideia de implantar o futebol de mesa em meu projeto olímpico – afirmou Wallenstein.

Sensei se apaixonou pelo esporte ao acompanhar evento em shopping da Capital.(Acervo pessoal)

O professor de artes marciais mantém uma iniciativa, ao lado do mestre cubano Alejo Morales, para a formação de atletas de esportes olímpicos. O projeto de Wallenstein é desenvolvido em Goianésia, mas engloba municípios como Barro Alto, Santa Rita, Santa Isabel, Rio Verde, Uruaçu, entre outras. Depois de se apaixonar pelo futebol de mesa, foi inevitável para o ‘Sensei’ colocar o esporte em seu programa.

– Sou especialista em judô e lutas olímpicas, mas amo o futebol de mesa. Resgata nossa infância. A diversão de todos torna-se um treinamento extra – declarou.

Recém-formada, a equipe do Goianésia treina de forma curiosa. O professor Wallenstein é dono de uma lanchonete no município do Vale do São Patrício, e colocou mesas para a prática da modalidade no local. O quadro de atletas do Azulão é, portanto, formado por amigos e clientes de Wallenstein. Empolgado, o Sensei afirma: “Vamos formar novas equipes”.

Metas audaciosas

Depois da filiação à FGOFM, o Goianésia tem planos ousados. A curto prazo, a meta do professor Wallenstein é difundir a modalidade na cidade e na região do Vale do São Patrício, além de utilizar o Futebol de Mesa como um instrumento de recreação. Para isso, o líder do time Azulão mira participações em torneios de grande porte.

Treinamentos dos botonistas do Goianésia é realizado na lanchonete de Wallestein.(Acervo pessoal)

Com grandes planos, Sensei Wallenstein quer iniciar a história da equipe de Futebol de Mesa do Goianésia contra um grande adversário. O fundador do time Azulão pretende marcar um jogo inaugural com o Goiás, que detém uma das equipes mais fortes da modalidade. Segundo o professor, este seria o primeiro passo para uma rivalidade e, quem sabe, uma freguesia.

– O Goiás é freguês no futebol. Nada mais justo fazermos o mesmo no futebol de mesa – brinca Wallenstein. – Mas ainda somos amadores. Eles estão acima da nossa média. Temos que trazê-los aqui para difundir o esporte – completa.

A ambição do Goianésia no futebol de mesa passa pela mão dos 11 atletas que integram a primeira equipe. Confira os nomes.

-Professor Wallestein César
-Cícero da Mota
-Glaidson Willians
-Luiz Gabriel
-Clebson Silva
-Paulo Fernando
-Lande Gontijo
-Heverton Fonseca
-João Paulo Braolhos
-Mestre Alejo Morales

Comentários

comentários

PUBLICIDADE