Hiram Alcântara fala sobre o Brasileiro de Futsal de Surdos disputado em Anápolis

Anúncios

Em entrevista à equipe do Esporte Goiano, o presidente da Federação Goiana de Desportos de Surdos (FGDS), Hiram Alcântara, falou sobre o Brasileiro de Futsal disputado em Anápolis no último final de semana, e explicou os motivos que levaram a cidade anapolina a ser sede da competição.

Confira como foi o Brasileiro de Futsal de Surdos realizado em Anápolis!

Ao final, Hiram fez questão de deixar um recado aos atletas e para as federações envolvidas no Brasileiro de Futsal. ”Nós parabenizamos a todas as federações pelo esforço, os atletas que não tem o futsal como profissão, já que a maioria dos competidores têm empregos em diversos tipos de empresas e em diferentes áreas”, disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Temas discutidos:

1 – Por que a escolha da cidade de Anápolis, em Goiás, como sede da competição?

Hiram-R: A cidade de Anápolis foi escolhida por votação dos representantes das federações de várias regiões do Brasil. Para essa escolha o presidente da FGDS manifestou o desejo, e todos após analisar a estrutura do local e a disponibilidade da federação local em organizar o evento.

A FGDS se disponibilizou em colaborar, mas por saber que podia contar com o apoio dos órgãos responsáveis no estado de Goiás, e principalmente da prefeitura de Anápolis através da Secretaria de Esportes.

Todas as delegações saíram satisfeitas com o atendimento em Anápolis. Gostaram do alojamento, e também das dependências do ginásio, bem localizado, próximo a shopping e rodoviária.

2 – Vimos muitos torcedores no ginásio Internacional Newton de Faria, no decorrer dos jogos entre os dias 7 e 9. Qual a importância da presença dessas pessoas para os competidores?

Foto: Igor Nery

Hiram-R: O povo Surdo é considerado como minoria linguística dentro do país, devido a isso, se sentem muito felizes em se encontrarem, e é um orgulho e grande satisfação para a comunidade surda do centro-oeste receber surdoatletas de vários lugares do país.

Bem como prestigiar atletas que vem se destacando não só em competições de nível nacional, mas de nível mundial, como as olimpíadas de Surdos na Turquia. É gratificante para toda a comunidade surda, não somente os surdos, mas familiares, amigos e pessoas que gostam de estar perto dos surdos. E o Brasil tem conseguido com muita luta e dedicação participar.

3 – Em qual sentido o esporte, no caso o Brasileiro de Futsal, auxilia os atletas surdos como cidadãos?

Hiram-R: O esporte faz parte da cultura surda já faz muitas décadas, é notório que os surdos se diferenciam pela diferença linguística, não havendo limitação física, devido a isso, não participam das “paraolimpíadas”, os jogos dos surdos são somente para os surdos.

Essa prática promove a integração dos surdos na comunidade, proporciona um preparo físico que o condiciona a viver melhor, além da interação, auto estima e dignidade humana que são conquistadas através da prática de esportes e de competições. Isso é comum em quase todas as comunidades surdas dos países do planeta.

4 – Qual sua avaliação do Brasileiro de Futsal de Surdos realizado em Anápolis, em relação ao nível técnico das equipes – masculino e feminino?

Hiram-R: As equipes que participaram do campeonato nacional de futsal de 2017 em Anápolis estavam bem preparadas. Demostraram bom preparo físico e boas táticas durante os jogos. Os times femininos são poucos na maioria das regiões por falta de incentivo a prática de esportes para mulheres. Mas no geral foi bastante satisfatório para todos os envolvidos.

Colaboração de Hiram para o esporte

Atual presidente da Federação Goiana de Desportos de Surdos (FGDS), Hiram Alcântara integrou a Seleção Brasileira dos Surdos por muitos anos e é bicampeão Pan-Americano e Sul-Americano. Também participou de duas Copas do Mundo (Suécia e Tailândia).

Comentários

comentários

PUBLICIDADE