5.6 C
New York
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
InícioFutebolAtléticoConfira o Guia do Goianão 2017

Confira o Guia do Goianão 2017

Por Rafael Tomazeti e Vitor Monteiro

A 74ª edição do Campeonato Goiano terá início no próximo sábado, dia 28 de janeiro. E o Esporte Goiano resolveu preparar um guia do principal torneio do Centro-Oeste para você, amigo internauta.

O Goiás é o atual campeão e também o detentor do maior número de títulos do estadual: 26 conquistas. Na sequência do ranking de troféus aparecem Vila Nova (15), Goiânia (14) e Atlético (13). Quatro times do interior já levantaram a taça: Crac 2 vezes (1967 e 2004), Anápolis (1965), Goiatuba (1992) e Itumbiara (2008). Esses são os números usados pela Federação Goiana de Futebol (FGF).

Veja mais do Futebol Goiano!

- Anúncio -

De acordo com o Futebol Goyaz e suas Histórias, no entanto, a edição 2017 será a 64ª da história do torneio, pois vários torneios citadinos foram considerados como estaduais pela entidade responsável pelo futebol goiano. De acordo com as pesquisas, o Goiás tem 26 títulos, Vila Nova tem 15. As grandes diferenças aparecem em seguida: Atlético com 9 taças e Goiânia com 6 conquistas. O interior levou a melhor em 7 oportunidades: Crac (1967 e 2004), Anápolis (1947 como União Operária e 1965), Goiatuba (1992), Itumbiara (2008) e América (1957).

A primeira rodada começa no sábado, às 16h30, com Atlético x Vila Nova, no Serra Dourada. Às 17h do dia seguinte, teremos: Aparecidense x Goiás; Anápolis x Itumbiara; Goianésia x Iporá e Rio Verde x Crac.

Regulamento
O regulamento é o mesmo dos últimos anos. Os dez participantes foram divididos em dois grupos, baseados no critério técnico (posição no estadual do ano anterior). As equipes da chave A enfrentam os times da chave B em jogos de ida e volta (1º e 2º turnos). No terceiro turno, os confrontos acontecem dentro do mesmo grupo.

Os líderes de cada chave, além dos dois clubes com mais pontos conquistados (independente do grupo a que pertençam) garantem vaga nas semifinais. As semis e as finais são disputadas em jogos de ida e volta. Os dois times com menos pontos no geral serão rebaixados para a Divisão de Acesso 2018.

Nas fases finais, caso ocorra igualdade no número de pontos e no saldo de gols na soma das duas partidas (ida e volta), as definições vão para os pênaltis.

Equipes

Anápolis
Vice-campeão em 2016, o Galo da Comarca promete dar trabalho no Goianão deste ano. Para fazer sucesso novamente, a diretoria tricolor apostou na manutenção da base que perdeu o título nos pênaltis para o Goiás.

As peças do meio-campo foram quase todas mantidas. No setor, a única baixa é do volante Toró, que está no Esmeraldino. Para suprir a perda do goleiro Felipe, eleito o melhor arqueiro do último Estadual, que se transferiu para o Atlético, o Anápolis buscou o experiente Wagner Bueno, ex-Vila Nova.

A dupla de zaga titular também não está mais na Boa Vista. Leandro Euzébio foi para a Cabofriense-RJ, enquanto Renato Justi, apesar de ter assinado inicialmente com o Galo, vai vestir as cores do América-MG. Igor, reserva no ano passado, e Valdomiro serão os principais defensores. A expectativa do presidente Fernando Cunha é brigar para retornar à final do Goianão.

Time base: Wagner Bueno; Marcelo, Igor, Valdomiro e Marinho Donizete; Albert, Helder, Felipe Baiano, Lucas Sotero e Rafael Furlan; Régis.
Treinador: Charles Fabian

Aparecidense
Mais uma vez, a Aparecidense desponta como uma das equipes candidatas a desbancar a hegemonia do trio da capital. O plantel conta com atletas conhecidos do futebol goiano (Rafael Cruz e Elias) e com passagens pelo próprio Camaleão, como Pedro Henrique, Mirita, Washington e Tozin.

João Rodrigues, o Cocá, diretor de futebol do clube, mostrou otimismo ao falar das expectativas para o estadual. “Nosso objetivo é chegar as semifinais. É o melhor elenco que já montei na Aparecidense e, se o time der liga, tenho certeza que vamos disputar o título”.

Time base: Pedro Henrique; Rafael Cruz, Braga, Mirita e Helder; Clécio, Foguinho, Washington e Elias; Robert e Tozin.
Técnico: Zé Teodoro

Atlético
O Dragão entra no estadual com a moral de ter conquistado o principal título da sua história: a Série B 2016. Apesar da manutenção do técnico Marcelo Cabo e de alguns atletas, como Kléver, Jorginho e Viçosa, várias peças importantes deixaram a equipe, como Matheus Ribeiro, Bambu e Michel.

Único goiano na Série A, Dragão é favorito ao título estadual. (Foto: Comunicação/Atlético)

Mesmo com Adson Batista, diretor e vice-presidente, ressaltando que o Goianão é um “laboratório” para ver quem tem condições de disputar a Série A, o Atlético segue sendo um dos favoritos à conquista.

Times base: Kléver; Daniel Borges, Roger Carvalho, Ricardo Silva e Wanderson; Abuda, Silva, Luiz Fernando, Jorginho e Willians; Júnior Viçosa.
Treinador: Marcelo Cabo

Crac
O Crac conta com a tradição de um bicampeão goiano e a com a força do Genervino da Fonseca para se dar bem no Estadual. O time catalano buscou jogadores experientes, como Frontini, Francesco e Sandrinho, acostumados com a competição.

Frontini é a esperança de gols do Leão do Sul. (Foto: Instagram/Frontini)

Com 14 atletas acima de 30 anos no elenco, a diretoria do Leão do Sul aposta na mescla com jogadores mais jovens. A principal aposta é no meia Paulo, destaque do Goiás na Copa São Paulo de 2013. O Crac briga para escapar do descenso, mas pode surpreender caso o time dê liga.

Time base: Dudu; Andrezinho, Guilherme, Rafael Morisco e Flavinho; Zé Neto, Marielson, Paulo e Esquerdinha; Sandrinho e Frontini.
Técnico: Lucho Nizzo

Goiás
Sempre favorito, o Goiás tem no Goianão o primeiro passo para a reconstrução. Em 2016, mesmo fazendo uma das piores temporadas de sua história, o Esmeraldino conquistou o título estadual e vem para buscar o primeiro tricampeonato desde 1998.

A mentalidade alviverde parece diferente. Se em 2016 a união e o descompromisso foram problemas, 2017 tem tudo para ser diferente. O elenco ficou concentrado durante as duas primeiras semanas da pré-temporada na Casa do Atleta, no CT Edmo Pinheiro.

Setor ofensivo esmeraldino chama a atenção. (Foto: Rosiron Rodrigues/Goiás)

O elenco foi todo reformulado. Um time inteiro de reforços foi contratado. A maioria dos jogadores que disputaram a Série B do último ano foi dispensada. Nos primeiros testes da pré-temporada, o treinador Gilson Kleina testou o time com oito novidades no time titular. Os únicos remanescentes na equipe principal foram o garoto Léo Sena e a forte dupla de ataque formada por Léo Gamalho e Walter. Briga pelo título.

Time base: Marcelo Rangel; Helder, Everton Sena, Fábio Sanches e Paulinho; Victor Bolt, Pedro Bambu, Léo Sena e Jean Carlos; Léo Gamalho e Walter.
Treinador: Gilson Kleina

Goianésia
O Azulão do Vale viveu muitos problemas no período que antecedeu o Goianão. O Estádio Valdeir de Oliveira, uma das principais armas da equipe, começou a ser reformado pela Prefeitura, mas as obras foram interrompidas e a situação da casa do Goianésia entrou num limbo. Recentemente, a diretoria do Azulão, com recursos próprios, retomou a reforma. Os jogos do time como mandante, contudo, ainda constam com local “a definir” na tabela da FGF.

No cesto de problemas, o Goianésia também perdeu o apoio público. O ex-prefeito e candidato a reeleição Jalles Fontoura (PSDB) foi derrotado por Renato de Castro (PMDB) nas eleições municipais. O resultado foi lamentado pelos dirigentes do Azulão, pois Castro afirmou durante a campanha que não patrocinaria o clube durante o Estadual. Sem a verba do poder público, o projeto quase ficou inviável.

Nonato defenderá o Azulão do Vale em mais um estadual. (Foto: Facebook/Goianésia)

Mesmo com todas as dificuldades, o Goianésia foi ao mercado e montou um elenco, mais uma vez liderado por Nonato, triartilheiro do Goianão. O comando do experiente técnico Jorge Saran pode ajudar o time a conquistar o principal objetivo e se manter, mesmo em um ano difícil, na elite estadual.

Time base: Vinicius Nigre; Bruno Henrique, Matheus Carvalho, Fábio Silva e Daniel Silva; Irlan, Gabriel, Márcio Bispo e Juliano; Yhan e Nonato.
Técnico: Jorge Saran

Iporá
O Iporá vai estrear na elite do futebol goiano. O Lobo Guará, treinado por Everton Goiano, tem como objetivo a permanência na primeira divisão.

Sem muitos investimentos, o time conta com alguns atletas que participaram da campanha do vice-campeonato da Divisão de Acesso, como o goleiro Cleriston e os zagueiros Rodrigo Milanez e Wadson. O atacante Paulo Henrique. A equipe do Oeste Goiano entra como candidata ao descenso.

Time base: Cleriston; Baiano, Rodrigo Milanez, Patrick (Wadson) e Felipe; Jean Batista, Wesly, Wagner Quirino e Rodrigo Alves; Paulo Henrique e John.
Treinador: Everton Goiano

Itumbiara
O Itumbiara foi o penúltimo time a definir seu treinador. Depois de muita especulação, Luizinho Vieira, ex-Criciúma, foi anunciado como técnico e terá a tarefa de entrosar o time o mais rápido possível.

Para o elenco, a diretoria tricolor trouxe jogadores experientes, como Rodrigo Calaça, Marcelo Labarthe e Vanílson, artilheiro com o Novo Horizonte e ex-jogador do Vila Nova. Mesmo com o plantel montado em cima da hora, o Gigante não fez feio nos testes de pré-temporada. Em duas goleadas, bateu o Centralina e a seleção amadora de Bom Jesus. Deve fazer campanha segura, mas sem muito brilho no Goianão.

Time base: Rodrigo Calaça; Alex Santos, Rafael Araújo, André Ribeiro e Maninho; Mateus Magro, Marcelo Labarthe, Danilinho e Matheus Guerreiro; Gilmar e Vanílson.
Técnico: Luizinho Vieira

Rio Verde
O Rio Verde apostou em atacantes experientes. A provável dupla titular, formada por Léo Guerreiro e Saulo, soma 68 anos de idade.Saulo atuou por quase 10 anos no exterior, enquanto Guerreiro foi artilheiro em clubes menores do Rio de Janeiro. Juntos, devem incomodar as zagas adversárias.

Os meias Roger Guerreiro, naturalizado polonês, Ramon e o zagueiro Herbert, são outros pilares de experiência da equipe que terá que travar uma batalha judicial para atuar em casa. O Estádio Mozart Veloso do Carmo foi interditado a pedido do Ministério Público e, a princípio, os jogos do Verdão do Sudoeste serão em Itumbiara. A equipe deve brigar para permanecer.

Time base: Tom; Bruno Leite, Herbert, Rogério e Wagner Freitas; Bruno Sabino, Cléber (Pierre), Ramon e Roger Guerreiro; Léo Guerreiro (Saulo) e Romano.
Treinador: Edson Porto

Vila Nova
Acabar com o jejum é o grande objetivo do Tigrão no estadual. O Vila não ganha o torneio há 12 anos (a última vez foi em 2005) e confia no treinador Mazola Júnior para voltar ao topo do Goianão. Na pré-temporada, o time foi testado três vezes: dois empates em 1 x 1 contra Uberlândia e Real Brasília; e uma vitória por 2 x 1 sobre o Flamengo-RJ.

Tigrão confia no comando de Mazola Júnior para chegar ao título. (Foto: Comunicação/Vila Nova)

Após uma campanha segura na Série B 2016, o mercado da bola foi agitado pelos lados do OBA. Entre as contratações, Wesley Matos (ex-Goiás), Marcos Serrato e Hiroshi (ambos ex-Tupi-MG) e Wallyson (com passagens por Cruzeiro, Botafogo e São Paulo) chamam a atenção.

Time base: Wendell; Magno Silva, Wesley Matos, Brunão (Halisson) e Jonathan; PH, Fagner, Marcos Serrato e Hiroshi; Moisés e Wallyson.
Técnico: Mazola Júnior

Vitor Monteirohttps://esportegoiano.com.br/
Jornalista formado pela UFG (Universidade Federal de Goiás). Co-fundador do site Esporte Goiano, comentarista da TV Brasil Central e da Rádio Positiva FM. Trabalhou também na Rádio Universitária 870 AM, TV UFG, Rádio 730/Portal 730, Rádio Sagres, TV Sagres, jornal O Popular, MyCujoo, Eleven Sports e Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) de Goiás.
Anúncio

Últimas

Anúncio
error: Este conteúdo é protegido por direitos autorais!
P